Bem vindo ao GGames

Registre-se agora para obter acesso a todos os nossos recursos. Uma vez cadastrado e logado, você será capaz de criar tópicos, postar respostas a tópicos já existentes, dar reputação a seus companheiros, obter seu próprio mensageiro privado, postar atualizações de status, gerenciar seu perfil e muito mais. Esta mensagem será removida depois de você ter feito login.


iBassini

Noticias Riot Games divulga lista de medidas para combater a cultura machista na empresa

1 post neste tópico

riot-games-escritorio-800x453.jpegEscritório da Riot Games em Los Angeles (Foto: Divulgação/Reprodução)

Nas últimas semanas, uma reportagem do site Kotaku expôs relatos de machismo e situações insalubres que ocorreram com mulheres nos escritórios da Riot Games, especialmente em sua sede, em Los Angeles, nos EUA. Após a denúncia de que há uma cultura machista na empresa, a desenvolvedora de League of Legends anunciou as medidas que tomará para consertar esses comportamentos.

De acordo com a carta aberta divulgada no site oficial da Riot, a mudança acontecerá em sete passos planejados ao longo de três semanas em que a empresa afirma ter permanecido reclusa para observar os feedbacks. O primeiro consistirá em expandir a cultura e a iniciativa de diversidade e inclusão em seu quadro de funcionários, e um time foi montado para liderar a evolução cultural nesse sentido.

O segundo buscará redefinir os significados das palavras e expressões que norteiam a cultura da empresa, por exemplo, “gamer” e “meritocracia”. Para eles, isso assegurará que todos estão falando a mesma língua ao usar esse linguajar. O terceiro passo sintetizará essas mudanças através de avaliações de desempenho, justificadas com o objetivo da Riot em não apenas ser uma boa empresa, mas ser líder mundial em diversidade e inclusão.

riot-games-800x450.jpg Quadro de funcionário da Riot Games, desenvolvedora de League of Legends (Foto: Divulgação)

O quarto passo cuidará da investigação dos problemas relatados na empresa através de ações diretas entre Rioters e a Riot. Uma linha telefônica foi inaugurada para que qualquer um possa denunciar problemas anonimamente; além disso, advogados de fora da desenvolvedora foram contratados para agir contra esse tipo de questão, e casos específicos estão sendo resolvidos.

 

O quinto passo busca reavaliar o processo de recrutamento na empresa, tornando-a mais inclusiva da maneira prática — incluindo contratar pessoas de universidades e grupos demográficos diferentes. O sexto passo reforçará os treinamentos contra preconceitos e, o sétimo e último, busca um novo chefe do setor de Recursos Humanos (RH) para que todas essas medidas sejam aplicadas da maneira que favoreça a Riot a acelerar o processo.

Com isso, a desenvolvedora busca retomar a posição de melhor lugar para os melhores talentos na área de games sejam lapidados. A carta inclui, além do plano de combate ao preconceito, pedidos de desculpa a funcionários, ex-funcionários, jogadores, parceiros comerciais e pessoas que consideram uma carreira na Riot. Você pode conferir o texto na íntegra aqui. A reportagem com denúncias de ex-funcionárias está disponível aqui.

 

Fonte: maisesports

Editado por iBassini

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por iBassini
      A Insomniac Games, responsável pelo desenvolvimento de "Spider-Man", revelou que não descarta trabalhar em mais títulos baseados nas franquias da Marvel Comics.
      "Claro que estaríamos abertos a outro jogo licenciado," disse o diretor de comunidade, James Stevenson, ao site "Fandom". Ele também informou que a relação com a Marvel ao longo da produção do game foi muito boa, a ponto de fazer o estúdio se superar para entregar algo de qualidade.
      "Trabalhar com a Marvel provavelmente nos levou a sermos melhores do que podemos ser quando estamos trabalhando em nossas próprias coisas," explicou Stevenson, indicando que fazer "Spider-Man" forneceu uma experiência que a produtora até então não tinha, já que tratou-se do primeiro jogo licenciado da empresa, conhecida até então por franquias originais como "Ratchet & Clank", "Resistance" e "Spyro the Dragon".
      O diretor complementou dizendo que a gigante dos quadrinhos não impôs nenhuma barreira à Insomniac, lhe dando liberdade criativa para fazer o melhor jogo possível.
      "Marvel não estava colocando obstáculos ou algo assim, foi mais da perspectiva de nos querer ajudar a fazer um ótimo jogo do Homem-Aranha. Marvel disse basicamente, 'aqui estão mais de 50 anos de quadrinhos, personagens e história. Vasculhe tudo e pegue o que você quer.'"
      A Insomniac parece estar muito interessada em fazer uma sequência para "Spider-Man", algo que esperemos que se concretize. A nova aventura do escalador de paredes foi lançada totalmente em português brasileiro na última sexta-feira, dia 7 de setembro, exclusivamente para PS4.
      Fonte: gamehall
    • Por iBassini
      A Insomniac decidiu em maio inserir um easter egg (acima) em "Spider-Man" para ajudar um de seus fãs, Tyler Schultz, a pedir a mão de sua namorada em casamento, só que infelizmente quando o jogo chegou às lojas na última sexta-feira, dia 7, o relacionamento do rapaz já havia chegado ao fim. 
      Após alguns jogadores terem encontrado a mensagem, a qual diz "Maddie, você quer se casar comigo?", e fazer a história viralizar, Schultz foi ao YouTube onde agradeceu o estúdio por ajudá-lo e aproveitou para explicar o que aconteceu.
      "Três, quatro semanas atrás, minha namorada me largou para ficar com meu irmão, basicamente jogando fora cinco anos que passamos juntos," disse. Ele também revelou que a mensagem no game não era a maneira que ela gostaria de ter sua mão pedida em casamento. Ele complementou dizendo imaginar que talvez este easter egg venha a se tornar o mais triste da história, mas informou ter ficado um pouco feliz que isso esteja no jogo e convidou outros jogadores a usarem a mensagem para poderem se declarar às suas namoradas, pois quer muito "ver alguém se casando por meio disso".
      A diretora de arte da Insomniac, Jacinda Chew, perguntou no Twitter em uma postagem que já foi apagada, se ele gostaria que a mensagem fosse alterada em uma atualização e pediu sugestões sobre o que colocar no lugar. Schultz respondeu inicialmente que gostaria de manter tudo como está, mas mudou de ideia logo em seguida, deixando uma incógnita no ar sobre o que acontecerá com este triste easter egg.
      "Spider-Man" encontra-se disponível totalmente em português para PS4.
      Fonte: gamehall
    • Por iBassini
      Semanas após divulgar medidas de combate à cultura sexista, a Riot Games, desenvolvedora de League of Legends, foi processada por uma funcionária e uma ex-funcionária pelo mesmo motivo: discriminação de gênero. As demandantes buscam indenizações por uma série de práticas ilegais relacionadas a sexismo na empresa.
      Na ação judicial enviada à Corte Superior de Los Angeles, onde fica a sede mundial da Riot Games, a desenvolvedora é acusada de violar a lei estadual da Califórnia que garante salários iguais a homens e mulheres na mesma função, além de atos de discriminação, assédio sexual e retaliação por preconceito de gênero/sexo.
      Exterior do escritório da Riot Games em Los Angeles (Foto: Reprodução/Divulgação) O escritório de advocacia que encaminhou o processo alega que as solicitantes tiveram salários equivalentes negados, além de terem suas carreiras estagnadas por serem mulheres e de trabalharem sob as condições negativas de assédio sexual constante, conduta inapropriada e preconceito, que, segundo elas, predominam no ambiente sexualmente hostil dos escritórios da Riot.
      O artigo de 25 páginas cita fatores como a “bro culture” na empresa, denunciada em reportagens recentes e categorizada como uma cultura machista que privilegia os funcionários homens e relativiza abusos e comportamentos ofensivos para com as mulheres no ambiente de trabalho.
        Também é citado o conceito de “core gamer”, algo como “gamer de verdade”. A ideia de jogador de videogame fanático é utilizada na contratação de novos Rioters e, de acordo com o processo, critério utilizado para discriminar mulheres na seleção e promoção de funcionários. “Em suma, ser um core gamer é equivalente a ser um homem, e a presunção é de que mulheres não são gamers de verdade e, por isso, não são Rioters de verdade”, diz o texto.
      As demandantes denunciam a sexualização e objetificação indiscriminada de mulheres na empresa, em situações como correntes de e-mail ranqueando funcionárias pelos atributos físicos e comentários agressivos referente a suas condutas sexuais. Ainda há no processo a alegação de que as mulheres são coagidas a participar e tolerar piadas com sexo, defecação, masturbação, estupro e tortura. O texto completo em inglês pode ser lido aqui.
      Em comunicado oficial, a Riot Games reafirmou que tomou medidas contra os funcionários que perpetuam essa cultura e que inúmeras investigações internas estão em andamento. O líder de comunicações corporativas da Riot Games, Joe Hixson, afirmou que todas as alegações são levadas a sério. “Continuamos comprometidos com uma evolução profunda e abrangente de nossa cultura para garantir que a Riot seja um lugar onde todos os Rioters prosperem.”
      Complaint by on Scribd
       
      Fonte: maisesports
    • Por reis
      O jogador Murilo “Takeshi” Alves foi anunciado nessa segunda-feira (21) como novo reforço da Team One. Após jogar pela Pain Gaming no primeiro split do CBLOL 2018, Takeshi agora defenderá os Golden Boys no Circuito Desafiante. O jogador volta para a sua posição de origem: a Mid Lane.
      Takeshi é um veterano no cenário. Presente no CBLOL desde 2013, foi vice-campeão brasileiro cinco vezes, duas dessas pela CNB e mais três pela Keyd Stars, atual Vivo Keyd. No final de 2017, assinou com a Pain para trocar de posição e assumir a rota do topo, mas a campanha foi a pior de sua carreira — a equipe foi rebaixada automaticamente ao terminar a fase de pontos em 8º lugar.
      Essa é a terceira transferência anunciada pela Team One. O top laner Álvaro “VVvert” Miguel deixou a equipe para jogar na ProGaming Esports, e o suporte Ygor “Redbert” Flores defenderá a INTZ. Da formação campeã brasileira de 2017, restam no time apenas Alanderson “4LaN” Meireles, Bruno “Brucer” Pereira e João “Marf” Piola, que não foram anunciados em nenhuma outra equipe.
      A Pain, em contrapartida, substituiu Takeshi com o ex-INTZ Marcelo “Ayel” Mello, e anunciou também os reforços Carlos “Nappon” Rücker e Hugo “Dioud” Padioleau, ex-Red Canids. As duas equipes disputaram a final do CBLOL 2017 e, agora, se enfrentarão no Circuito Desafiante, segunda divisão do LoL brasileiro.
       
      Fonte: maisesports
      Atento (postei na área errada, favor mover para noticias).
  • Quem Está Navegando   0 membros estão online

    Nenhum usuário registrado visualizando esta página.