Bem vindo ao GGames

Registre-se agora para obter acesso a todos os nossos recursos. Uma vez cadastrado e logado, você será capaz de criar tópicos, postar respostas a tópicos já existentes, dar reputação a seus companheiros, obter seu próprio mensageiro privado, postar atualizações de status, gerenciar seu perfil e muito mais. Esta mensagem será removida depois de você ter feito login.


iBassini

Competitivo W7M anuncia lineup de Fortnite

1 post neste tópico

A poucos meses do fim do ano, a W7M vem com forte investimento no cenário competitivo de eSports. Recentemente anunciaram parceria com a Redemption POA, equipe classificada para o 1º split do CBLOL de 2019. Também já são uma equipe consolidada no CS:GO, e agora mais do que tudo, possuem uma lineup de peso para o competitivo de Fortnite.

W7M-Gaming.jpg

Imagem: maiesports

Com nomes já conhecidos pela comunidade do game, a W7M anunciou na última terça-feira (13) em seu time Patrick “Blackoutz” Garcia da Silva, reconhecido pelos seus recordes dentro do jogo, como:  maior número de kills em partidas solo,  duo e squad. Todos esses recordes são apenas no servidor brasileiro.

No esquadrão, o time ainda conta com Igor “DrakonZ” Amorim, antigo jogador de H1Z1. Mateus “VERO” Veronesi, que já é conhecido pela comunidade de battle royale também por participar de competições de PUBG. E por fim, o campeão brasileiro de Team Fortress 2 Pedro “pfzin” Freitas.

O competitivo de Fortnite no Brasil ainda está sendo montado, times estão formando lineups e investindo em jogadores, mas cada vez mais vemos o desenvolvimento desse cenário. Times de peso como INTZ, Team One e agora a W7M estão aguardando o início das competições nacionais.

 

Fonte: maisesports

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por iBassini
      O futuro de um dos melhores caçadores do Brasil finalmente foi revelado. Após deixar a Vivo Keyd, Gabriel “Revolta” Henud será o novo caçador da RED Canids.
      O jogador estava defendendo os guerreiros desde o final de 2016, mas não era sua primeira passagem pelo clube. Revolta já havia jogado pela Keyd em outras três ocasiões diferentes. O jogador também teve passagens pela CNB, e pela INTZ, clube onde acumulou três títulos do CBLoL. Na busca pelo título, a Vivo Keyd acabou reunindo novamente a escalação apelidada de “Exodia”. A equipe não conseguiu corresponder as expectativas e em 2018 teve que se contentar com o vice-campeonato no primeiro split, e no segundo, a quarta colocação.
       
      O jogador ficou disponível para propostas no dia 23 de novembro. A Vivo Keyd está jogando a SuperLiga 2018 mas o jogador não participou de nenhuma partida da competição, e foi substituído pelo até então suporte da equipe Luan “Jockster” Cardoso.
        Junto a RED Canids, Revolta jogará o Circuito Desafiante na primeira metade de 2019, buscando ajudar a matilha a voltar para a elite do LoL brasileiro. O jogador dividirá a posição com Leonardo “Erasus” Faria.
      Confira a escalação completa da equipe até o momento:
      Top Pedro “LEP” Marcari
      Jungler Leonardo “Erasus” Faria
      Jungler Gabriel “Revolta” Henud
      Mid Adriano “Avenger” Perassoli
      ADC Gustavo “Sacy” Rossi
      Support Caio “Loop” Almeida
      Support Victor “Cabu” Oliveira
       
      Fonte: maisesports
    • Por iBassini
      Na noite desta quinta-feira (06) tivemos o anuncio de uma contratação bem “inesperada” por todos. O chileno Sebastián “Tierwulf” Andrés é a nova contratação da Splyce para a próxima temporada da LEC. O chileno será o caçador reseva da equipe europeia.
      Tierwulf ficou conhecido pelos fãs brasileiros após jogar na Big Gods em 2016. O jogador já tinha jogador pela Renegades of Hell, Last Kings e Kaos Latin Gamers, equipe que o jogador retornou no final de 2016 e permaneceu até então. Em sua estádia pelo Brasil o jogador acabou terminando na última colocação após sua equipe receber uma punição logo no começo do campeonato, perdendo 16 pontos. Já na KLG, o chileno conquistou os três últimos títulos da CLS.
       
      O jogador irá dividir a posição com o já veterano Andrei “Xerxe” Dragomir. A Splyce terminou o primeiro split da LCS EU 2018 na terceira colocação, e na segunda metade do ano, terminou na 5°/6° posição. A equipe tentou lutar pela última vaga europeia no Mundial, mas acabou perdendo na segunda rodada para a G2.
        Tierwulf é a quarta contratação da equipe para a próxima temporada. Confira a escalação completa até o momento:
      Andrei “Odoamne” Pascu – Top
      Tamás “Vizicsacsi” Kiss – Top
      Andrei “Xerxe” Dragomir – Jungler
      Sebastián “Tierwulf” Andrés – Jungler
      Marek “Humanoid” Brázda – Mid
      Kasper “Kobbe” Kobberup – ADC
      Tore “Norskeren” Hoel Eilertsen – Support
       
      Fonte: maisesports
    • Por iBassini
      Luci, novo suporte do Flamengo (Foto: Reprodução/Divulgação) O suporte recém-contratado do Flamengo eSports Han “Luci” Chang-hoon estreiou pela equipe nesta quinta-feira (6). Em embate sediado na CCXP 2018, o rubro-negro derrotou a IDM Gaming, com o coreano na rota inferior ao lado de Gabriel “Juzinho” Nishimura, que substituía o titular Felipe “brTT” Gonçalves.
      Após os jogos, o suporte, que chegou ao Brasil há menos de uma semana, comentou em entrevista ao Mais e-Sports sua primeira impressão sobre o país e a adaptação no time. Ele afirmou que seu primeiro impacto foi a temperatura alta: “Eu amo o inverno, mas aqui no Brasil parece que não tem (risos)… Mas isso não é um problema, é um ótimo país para viver”.
      Defender uma equipe como a do Flamengo e com a enorme torcida rubro-negra é uma grande responsabilidade. O sul-coreano, porém, não sente tanto o peso. “É uma ótima chance estar jogando aqui no Flamengo, então eu vou dar o meu melhor. Eu quero ser o melhor suporte aqui do Brasil”. 
      Mesmo com o fuso de 11 horas de diferença entre Brasil e a Coreia do Sul, Luci demonstrou estar interessado no país “Já tinha ouvido falar do time do Flamengo e do brTT. Eu assistia o CBLoL para assistir os jogos do Flamengo, mas não via de nenhum outro time”.
        Na sua primeira passagem em uma equipe ocidental, o suporte demonstra confiança e estar com suas metas bem definidas. “O primeiro objetivo é classificar para o MSI, e eu adoraria vencer o segundo split também.” Luci também espera suporte dos torcedores. “Continuem me apoiando, porque a partir de agora eu vou praticar muito para ser um ótimo jogador… eu amo vocês”, finalizou o jogador.
       
      Fonte: maisesports
    • Por iBassini
      Na última quinta-feira (6), o Flamengo eSports estreou parte da nova lineup em uma md3 contra a IDM Gaming na CCXP 2018, onde a equipe rubro-negra saiu vitoriosa por 2-1. Após o confronto, o novo topo Leonardo “Robo” Alves conversou com o Mais e-Sports. Confira:
      Como está sendo entrar em um novo time após defender a CNB e-Sports por dois splits do CBLOL?
      Robo: Está sendo bom para mim. Eles são ótimos jogadores, então eu estou gostando bastante, creio que vou me adaptar muito bem, estou muito satisfeito.
      Você entrou no lugar de um top laner coreano, o Jisu. O que você acha que precisa fazer para suprir essa saída dele e como o estilo de jogo de vocês diferem?
        Robo: O Jisu é bem consistente, é muito difícil matar ele mas tem o ponto fraco de que não pode depender muito dele. Se o time vencer, venceu, se perder, perdeu, já comigo é um pouco diferente. Eu arrisco mais, eu sou mais agressivo, então, se o time preferir focar na bot lane, eu consigo ficar bem assim no jogo, mas eu prefiro que joguem comigo porque eu gosto bastante de criar as jogadas para o time durante a partida.
      Como está sendo a comunicação no Flamengo tendo dois coreanos na equipe?
      Robo: Está sendo bem diferente para mim, na primeira partida eu não entendi quase nada mas agora estou me adaptando e com o tempo eu me acostumo. A gente se comunica em inglês, mas o que os coreanos querem falar entre eles, falam em coreano e a gente às vezes em português. Mas na maior parte do tempo é inglês mesmo.
      Qual sua expectativa para 2019 defendendo o Flamengo e podendo ver a performance das outras equipes?
      Robo: Minha expectativa é bem alta, espero poder ganhar os dois splits, participar do MSI e do Mundial e ir bem nos dois. Acho que não tem como não ser isso, nosso time é muito forte e estamos bem encaixados, por mais que o brTT ainda não esteja aqui treinando com a gente.
      Desde 2017 sua carreira está repleta de grandes times. Como é para você estar representando uma organização como o Flamengo, vista a história da equipe no futebol e a história que vem sendo criada no Esports?
      Robo: Para mim é uma honra estar representando o Flamengo, é um manto muito pesado e só pelo fato de ser Flamengo já representa uma torcida imensa. Eu normalmente não sofro com pressão e aqui também está sendo assim, mas o público tá me dando um suporte muito legal e eu amo essa nação e espero que continuem torcendo pela gente.
       
      Fonte: maisesports
    • Por iBassini
      O jogador Luan “Jockster” Cardoso teve mudanças em sua carreira na pré-temporada. Jogando como caçador, o suporte por ofício substituiu Gabriel “Revolta” Henud até agora na Superliga ABCDE 2018, conseguindo bons resultados durante o torneio e tropeçando apenas para o Santos eSports, contra quem perderam por 2 a 1 na última rodada.
      Não é a primeira vez que Jockster joga na selva. Entre 2013 e 2015, o jogador alternou entre as posições de jungler, top laner e suporte — se estabilizando na rota inferior em 2016, na INTZ. O profissional comentou em entrevista ao Mais e-Sports seu papel atual na Vivo Keyd, a campanha no torneio de pré-temporada e o futuro da equipe.
      É a primeira vez em dois anos que a Keyd fica sem o Revolta e você está no lugar desse jogador, que sempre foi muito importante na equipe. Como está sendo assumir esse papel?
      Jockster: Eu estou bem feliz de ter essa oportunidade de jogar na jungle. Apesar de ser por imprevistos que aconteceram, eu acredito que estou cobrindo o papel do Revolta da melhor maneira possível, pelo menos ao meu ver. É óbvio que eu não vou chegar no nível dele tão rápido, eu tô jogando há quase um mês só e ele joga a vida inteira, então acho que era muito difícil eu realmente preencher a lacuna que ele deixou aqui no time. Mas eu acho que tenho preenchido uns 60% pelo menos, e eu acredito que foi algo muito bom para mim, porque entendendo a jungle, eu acredito que mesmo se eu voltar pra suporte eu vou ter essa experiência e isso é muito bom pra mim de qualquer maneira.
        Você vai ficar na role de caçador?
      Jockster: Não sabemos ainda, estamos em uma fase de testes. Eu acredito que a gente tenha que ter pelo menos uma semana pra entender como está funcionando o time, tem muita coisa pra acontecer ainda, a gente não se decidiu muito sobre como queremos jogar, e isso também influencia em quem vai ficar de suporte e quem vai para a jungle. Então precisamos de um tempinho a mais para entender o que queremos fazer e decidir se eu vou ficar na jungle ou não.
      Como a sua experiência como suporte em todos esses anos está te ajudando a desempenhar na jungle?
      Jockster: Acho que principalmente pra jogar com o Professor a minha experiência como suporte tá ajudando muito, eu consigo entender qunaod ele pode sair da lane e andar comigo, o que é muito importante nesse meta, eu consigo entender quando a gente pode entrar pra wardar, quando é perigoso a gente fazer alguma coisa, então eu acho que a noção de visão é algo que está me ajudando muito a jogar na jungle, e também está me ajudando a dar as calls do que fazer junto do Professor.
      E você, pessoalmente, gosta mais de jogar na jungle ou como suporte?
      Jockster: Pessoalmente, eu gosto mais da jungle, mas eu acredito que como um teammate o esperado é que eu faça o melhor para o time, então se o time achar que foi melhor eu jogar de suporte eu vou jogar tranquilamente e vou ser feliz como suporte. O que realmente importa para mim é que o time vá bem — se eu tiver que jogar de suporte eu não vou ficar triste, mas eu prefiro realmente a jungle.
      Você é historicamente um dos melhores suportes do Brasil, e está sendo substituído por um jogador que também é muito bom, o Professor. Como está rolando a troca de informações e experiência entre vocês?
      Jockster: Principalmente por ele ter vindo da ProGaming, ele trouxe uma visão muito diferente do jogo. A PRG tinha um estilo muito único, que eles sempre usaram e já funcionou muito, já deixou de funcionar, então eu acho que ele trazendo essa experiência pra mim eu consigo enxergar umas coisas que eu não enxergava antes. Eu acredito que também tô ajudando ele a entender principalmente como jogar junto com o seu ADC, não sei porque, mas sinto que ele não entendia isso muito bem na PRG. Agora que ele veio pra cá, eu estou ajudando ele bastante nisso, e ele também está me ajudando muito. Eu acho que ele trouxe muita coisa da PRG e é algo que agrega para todo mundo, não só para um suporte ou um jungler.
      Pra você, quais são as diferenças entre o seu estilo de jogo na jungle e o do Revolta?
      Jockster: Eu acho que o Revolta faz um jogo muito mais controlado do que eu. Eu procuro sempre ajudar as lanes quando elas precisam, e ele procura ajudar as lanes de outras maneiras, ele sabe que se ele encontrar o jungler inimigo, por exemplo, isso já vai dar uma chance das nossas lanes jogarem mais agressivo. Então eu acho que o estilo de jogo dele é mais controlado e o meu é um pouco mais doido, assim… Eu sempre estou procurando fazer alguma coisa que traga vantagem para as minhas lanes, e não só controlando o jogo com visão e pegando informação do outro jungler.
      O que você acredita que a Keyd ainda precisa setar para vir com tudo no CBLOL?
      Jockster: Eu acredito que a gente precise decidir ainda o que vai fazer com esse time, porque não sabemos ainda se eu vou continuar jungle mesmo, se vamos ter dois suportes… ter duas bot lanes é um negócio muito bom, então estamos pensando nisso também ainda. Assim que decidirmos isso, eu acredito que vamos conseguir treinar o que precisamos de verdade para funcionar como um time — que são coisas no mid game, no late game, como a gente vai comunicar, essas coisas que ainda não deu tempo de setar ainda, porque estamos preocupados com outras coisas que estão acontecendo fora do jogo.
      Fonte: maisesports
  • Quem Está Navegando   0 membros estão online

    Nenhum usuário registrado visualizando esta página.